domingo, 21 de dezembro de 2008

Vida dentro de um sebo

4 Comments



Sabem, agora que passou a fase da correria com a faculdade, o estresse com os trabalhos intermináveis, paro para refletir sobre certas coisas da vida. Hoje, dia 16 de dezembro, sem nada para fazer durante o horário do almoço, (uma hora e meia, tirando a meia hora em que almoço, me sobra uma hora) lembrei que há tempos queria ir conhecer um sebo que fica aqui perto.
Lá fui eu. Mas só para variar, no momento em que comecei a procurar os títulos e/ou autores que queria me fugiram os nomes. Estou escrevendo isso para não esquecer de anotar os livros que quero. Enfim... Eu tinha uma hora ali dentro. Isso porque chovia lá fora e minha vontade de andar pelo centro de Curitiba com chuva e às vésperas do Natal não é muito tentadora. Comecei a passar pelas sessões. Livros autografados, de poema, de crônicas, filosofia, psicologia... tudo o que se pode imaginar.
Lembrei-me dos livros de fotografia. Há uns dois meses fiz um “curso” promovido pela faculdade e fiquei com vontade de comprar algum. O problema é que eu não lembrava de nenhum nome de ator que tivesse me chamado a atenção durante o curso. Comecei a folhear alguns. Fotografias em preto e banco; pessoas desconhecidas, sorrindo, ou não; animais; paisagens. Nada que realmente me interessasse. Cheguei à conclusão de que minha paixão por fotos não se estende a livros.
Passei pela sessão de DVD’s que assim como a escritura, se tornou meu vício. Minha prateleira já se encontra cheia e falta o espaço. Mas desta vez eu me segurei. Já nem olhei muito para não querer comprar uns cinco de uma só vez. Sim, eu já comprei mais de cinco DVD’s de uma vez só. Talvez eu devesse fundar a AAAD – Associação Anônima dos Amantes de DVD’s... Voltando... Vi apenas um que me chamou a atenção. Não comprei. Mas é provável que em alguns dias lá esteja eu procurando por ele.
Neste meio tempo, uma pessoa me chamou a atenção. Havia um homem de rua, com seus cabelos sujos e embaraçados, roupa amassada e rasgada olhando alguns livros. Ele ria ao folhear algumas páginas. Perguntei-me no que ele estaria achando graça... Saberia ele ler? Creio que não... Olhava atento aos livros sem se importar se pessoas o estivessem olhando e analisando. Por mais que sua vida não seja desejada por qualquer pessoa, ele ainda tem motivos para sorrir.
Um sebo é uma vida se você parar para pensar. Há livros para todas as idades, gostos, tamanhos, sonhos. Há músicas, filmes e livros que te emocionam, alegram, trazem lembranças e saudades. Há pessoas de todos os tipos e jeitos. Amanhã devo ir conhecer outra vida, digo outro sebo. Mas desta vez levarei uma listinha contendo o que irei procurar...

4 comentários:

Andrey 24 de dezembro de 2008 20:51

Nova fase, férias, uhulll,

Tudo de bom isso.

Aproveitando,Feliz natal!

bjo

Cicero 25 de dezembro de 2008 14:08

Hey Nathi, saudadesss !

FELIZ NATAL pra vc e sua família (que não conheço, mas deve ser linda!)

Beijãooo enorme...

diego gianni 2 de janeiro de 2009 17:23

Sou suspeito pra comentar Nathi, AMO sebos, sou uma verdadeira traça. kkkkkkk
Parabéns pelo texto querida, sensível como sempre.
E aproveito para te recomendar um livro maravilhoso: "A menina que roubava livros", um dos melhores livros que já li, recomendo de olhos fechados. E com sorte você encontra nos sebos. kkk
Beijão poetisa ;)

Caio e Lory 6 de janeiro de 2009 18:25

Eu gosto de sebo!!!! Tem uns livros doidos e quase de graça. Se for bem aproveitado você compra muitas coisas boas, vá mais vezes!