domingo, 9 de novembro de 2008

A saudade em um olhar

4 Comments


Momentos de saudade. Momentos em que eu não sei o que faço. Se choro, para nas lágrimas tentar escorrer a saudade ou se dou risada, por ter alguém importante e especial que me faz sentir saudade. Confesso que não sei se é saudade de amor. Talvez seja, mas é saudade única, diferente de todas as outras. E saudade de amor já senti. Esta me faz doer até a alma.
Algo que não exisitu, ou melhor, foi reprimido no silêncio ou num olhar que disse mais que um livro de 500 páginas sobre a saudade. Em meu sonhar o olhar se torna real, tudo está tão perto que ao acordar ainda sinto-o fitando em meu ser.
Este sentimento que me ronda, que me enlouquece e emudece faz repensar em tudo já vivido, falado, esquecido. E se o tempo voltasse e pudesse escolher outro caminho, só para ver como seria? Seria ele o certo? Tal saudade ainda teria tanto sentido?!
Mas estava tudo escrito no livro da vida. Não passaria de um olhar. Porém não um simples olhar e sim, um brilho cheio de significância, desejos, sonhos e perguntas indecifráveis. Talvez em alguma página da vida elas tenham uma resposta. E enquanto ela não chega, a lembrança de um olhar traz consigo a dor de uma saudade.

4 comentários:

Lory 10 de novembro de 2008 08:52

Que profundo! É triste sentir saudade de algo que não aconteceu... mas às vezes por não ter acontecido supervalorizamos aquilo. Se tivesse acontecido não passaria de uma saudade de lembrança e não de dor. Te adoro, beijos!

Fran 10 de novembro de 2008 12:45

Bem profundo...
Tenho saudade de muitas coisas. De algumas que aconteceram e das que não aconteceram também.
Saudade dói demais.

Thiago 12 de novembro de 2008 04:58

Carambaaa Nathi!

Tem uma boa frase pra esse texto que vc ta sentindo que muitas vezes eu escuto por aqui e eh bem famosa: "Don't worry, be happy!" ou duas simples palavras: "Never mind".


Obs. Meu teclado aqui não tem como por acento no eh(acho q eles o fizeram estragado) hauahaua


bjooooos e sucesso na bbtur ;D

diego gianni 14 de novembro de 2008 22:01

Lindo, Nathi...confesso que ainda não aprendi a lidar com a saudade. Para mim, andar depressa é muito devagar.
bjsssss, te adoro!